Crédito das fotos: Karen R. Igari

Crédito das fotos: Karen R. Igari

quinta-feira, 10 de março de 2016

Osho: "Só o passado não vivido é que se torna um fardo psicológico"

  Só o passado não vivido é que se torna um fardo psicológico. Deixe-me repetir: o passado não vivido, aqueles momentos que você poderia ter vivido, mas não viveu. Os casos de amor que não existiram, que você deixou passar... Aquelas canções que não cantou, porque estava ocupado com alguma coisa boba... É o passado não vivido que se torna seu fardo psicológico e fica cada vez mais pesado a cada dia que passa.
  É por isso que o idoso fica tão rabugento. Não é culpa dele. Ele não sabe por que é tão rabugento - por que tudo o deixa irritado, por que está sempre zangado, por que não pode deixar que os outros sejam felizes, por que não gosta de ver as crianças dançando, cantando, pulando, festejando. Por que ele quer que todo mundo fique quieto? O que há com ele?
  Trata-se, simplesmente, de um fenômeno psicológico: toda a vida que ele não viveu. Quando ele vê uma criança dançar, sua criança interior sofre. Sua criança interior foi, de alguma forma, impedida de dançar - talvez pelos pais, pelos mais velhos, talvez por ele mesmo, porque era respeitável, honrado. Ele foi levado à presença dos vizinhos e apresentado: "Olhem que criança mais quieta, calma, silenciosa. Não atrapalha, não faz travessuras". O ego dele era massageado. De qualquer forma, ele saiu perdendo. Agora não suporta mais isso, não consegue tolerar essa criança. Na verdade, é a sua infância não vivida que começa a doer. Deixou uma ferida.
  E quantas feridas vocês está carregando? Milhares de feridas ainda doem, pois quanta coisa você deixou de viver?

(Osho, in: Faça seu coração vibrar, pp. 18 - 19)

Foto particular - KRI: foto tirada em São Paulo
Foto tirada em São Paulo, em 09/2014.