Crédito das fotos: Karen R. Igari

Crédito das fotos: Karen R. Igari

terça-feira, 1 de julho de 2014

"Havia um cego que pedia esmola (...)"

Havia um cego que pedia esmola numa rua qualquer da cidade. Todos os dias, um escritor passava por ele, sempre de manhã e à noite. Em todas as ocasiões, deixava alguns trocados no chapéu. O cego segurava um cartaz com a seguinte frase: "Cego de nascimento. Uma esmola, por favor". Certa manhã, o escritor teve uma ideia: virou o letreiro do cego ao contrário e escreveu outra frase. Ao passar de volta, perguntou ao cego como tinha sido o seu dia. O cego, muito contente, respondeu: "Até parece mentira, mas hoje foi extraordinário! Todos que passavam por mim deixavam alguma coisa. Afinal, o que é que você escreveu no letreiro?". O escritor tinha escrito uma frase breve, mas que mexia com todos os que passavam... A frase era: "Em breve chegará a primavera e eu não poderei vê-la". A maioria das vezes, não importa o que você diz, mas como você o faz. Por isso, tome cuidado ao falar com as pessoas! Fale com o coração! Você será mais bem compreendido... Esta é a magia da comunicação!

(Autor desconhecido)

Foto tirada em Cabreuva
Foto tirada em Cabreuva, em 06/2014.